Poema Encarnação, de Cruz e Sousa

Poema Encarnação, de Cruz e Sousa. Segundo o site Wikipedia No aspecto de influências do simbolismo, nota-se uma amálgama que conflui águas do satanismo de Charles Baudelaire ao espiritualismo (e dentro desse, ideias budistas e espíritas) ligados tanto a tendências estéticas vigentes como as fases na vida do autor.

Poema Encarnação, de Cruz e Sousa





ENCARNAÇÃO


 Carnais, sejam carnais tantos desejos,
 Carnais, sejam carnais tantos anseios,
 Palpitações e frêmitos e enleios,
 Das harpas da emoção tantos arpejos...

 Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
 À noite, ao luar, intumescer os seios
 Lácteos, de finos e azulados veios
 De virgindade, de pudor, de pejos...

 Sejam carnais todos os sonhos brumos
 De estranhos, vagos, estrelados rumos
 Onde as Visões do amor dormem geladas...

 Sonhos, palpitações, desejos e ânsias
 Formem, com claridades e fragrâncias,
 A encarnação das lívidas Amadas!

Cruz e Sousa
Broquéis



Por Blog Lexi Wiki


Leia também:

- Estrutura Paralela e Paralelismo
- O que é um Tema?
- Saiba Como Ler Literatura Ativamente
- Dicas para análise de texto de literatura sala de aula



Compartilhe Compartilhe Compartilhe Compartilhe .
Compartilhe em suas Redes Sociais!


>>Clique e confira as obras por autores:

0 comentários:

Postar um comentário

.
Tecnologia do Blogger.
 

João 3 16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

voltar